ENVELHECIMENTO ATIVO: um Marco Político em resposta à Revolução da Longevidade

banner-livro-portugues

“ENVELHECIMENTO ATIVO: um Marco Político em resposta à Revolução da Longevidade”

Um relatório do Centro Internacional de Longevidade Brasil (ILC-BR)

O relatório “ACTIVE AGEING: A Policy Framework in Response to the Longevity Revolution” foi desenvolvido pelo Centro Internacional de Longevidade Brasil (ILC-BR), com uma abordagem ampla e foco nos determinantes do envelhecimento ativo.

A versão global do relatório está disponível neste site, em formato completo e Sumário Executivo. A versão brasileira, em português, terá lançamento em outubro de 2015.

Entre as principais tendências contemporâneas, o relatório examina temas como urbanização, globalização, aumento de iniquidades, feminização do envelhecimento, migração, inovação tecnológica, ambiente e mudanças climáticas. A publicação também revisita o Marco Político do Envelhecimento Ativo (Active Ageing Framework), no contexto do desenvolvimento internacional de reconhecimento e fortalecimento dos direitos humanos das pessoas idosas.

Uma pequena antecipação do relatório:

 Os anos extras de vida conquistados são um privilégio sem antecedentes – o que significa nada menos do que uma revolução.

 É preciso que abandonemos as noções existentes de velhice e aposentadoria para fazermos frente à Revolução da Longevidade.

Experts revisores do relatório celebraram a produção e alguns enviaram mensagens, aqui reproduzidas:

 

Cover page of report

O documento servirá mundialmente como a ‘bíblia’ do envelhecimento, em todos os níveis – uma extremamente importante fonte e recurso para todos os que trabalham na área ou consultem sobre o tema. Se tornará o autêntico manual internacional sobre envelhecimento. É um documento abrangente, perspicaz e instrutivo.

(Monica Ferreira, ex co-presidente da Aliança Global de ILCs e do ILC África do Sul)

O ILC-BR logrou reunir em mais de cem páginas os principais parâmetros do envelhecimento populacional e individual, além de elaborar as respostas aos desafios e às oportunidades daí decorrentes. Os autores dedicaram esforços significantes e bem sucedidos para ampliar e aprofundar o conteúdo do Marco Político do Envelhecimento Ativo.

(Alexandre (Sasha) Sidorenko, ex-diretor do Programa da Organização das Nações Unidas para o envelhecimento e consultor sênior do Centro Europeu para Políticas de Bem Estar Social e Pesquisa)

Para que tudo isso seja alcançado, é relevante e importante adotar uma abordagem inclusiva, de modo a criar espaço para diálogo e engajamento construtivos, além de permitir a interação com entes estatais e não-estatais, assegurando definitivamente a maior proteção dos direitos humanos das pessoas idosos, em todo o mundo. Este documento sobre Envelhecimento Ativo, do Centro Internacional de Longevidade Brasil, representa importante contribuição ao engajamento e ao diálogo, com vistas à melhoria da vida das pessoas idosas.

(Rosa Kornfeld-Matte, expert independente para a efetividade dos direitos humanos da pessoa idosa)

As milhares de pessoas que se tornam frágeis e vulneráveis quando envelhecem, se tornam suscetíveis a abuso, negligência e violência. Interlocutores globais, governos nacionais e propositores de políticas deveriam acatar as recomendações do relatório sobre Envelhecimento Ativo, que estabelece os meios para a promoção de mudanças nas políticas e nas práticas, de maneira a evitar sofrimento e reduzir o custo econômico do cuidado de saúde, além de garantir qualidade de vida na velhice.

(Susan Somers, presidente da Rede Internacional para a Prevenção do Abuso do Idoso – INPEA)

O relatório “ACTIVE AGEING: A Policy Framework in Response to the Longevity Revolution” foi produzido com fomento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro – FAPERJ e apoio do Centro de Estudo e Pesquisa do Envelhecimento (Cepe), do Instituto Vital Brazil, vinculado à Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro.

Disponível no link:

Envelhecimento Ativo