Andaluzia se integra ao movimento pelo envelhecimento ativo

Andaluzia se integra ao movimento pelo envelhecimento ativo

SONY DSC

“Há mais pessoas com mais de 60 anos hoje no mundo do que a soma de todas as pessoas que já atingiram esta idade ao longo da história. Se isso não é uma revolução, não sei o que é!”, disse Alexandre Kalache ao abrir sua conferência na Escola Andaluz de Saúde Pública (Escuela Andaluza de Salud Pública – EASP), onde é professor associado. Além da atividade docente na Espanha e em universidades de outros países, Kalache é co-presidente da Global Alliance of International Longevity Centres (ILC) e presidente do Centro Internacional de Longevidade Brasil (ILC-BR).
O programa da Jornada “Envejecimiento Activo y Saludable +50” começou com a boas vindas do diretor da EASP, Juan Carlos March, que destacou alguns aspectos da conferência de Kalache, como “ser preciso saber que coisas a fazer para o futuro, para que a cidade seja amiga do idoso e que o meio ambiente e o entorno sejam favoráveis e não barreiras, como adicionar vida aos anos, como superar as desigualdades sociais, quais os papéis dos serviços sociais e da saúde.” Indicou, ainda, esses pontos como parte do debate para os grupos de discussão que se seguiriam à conferência.
Ao passar a palavra para Alexandre Kalache, o diretor pontuou a “importância de ajudar Andaluzia, a Espanha e o mundo para a implantação de estratégias de envelhecimento ativo”. Segundo Juan Carlos March, a expectativa da EASP é propor um conjunto de propostas voltadas à melhoria da vida das pessoas idosas.
Alexandre Kalache apresentou o Marco Político do Envelhecimento Ativo (Active Ageing Framework), publicado em 2002 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – quando era diretor do Departamento de Envelhecimento e Curso de Vida – e lançado em 2015, revisado e atualizado pelo ILC-Brasil.
Disponível aqui vídeo da conferência.