Desigualdades sociais no contexto global

Do dia 10 até o dia 13 de abril, Alexandre Kalache participou do Transnational Law Summit no King’s College London. O foco principal desta conferência internacional esteve voltado para discussões sobre desigualdades sociais e suas múltiplas consequências deletérias para a saúde, bem-estar, harmonia social, status das mulheres e outros grupos com frequência discriminados – entre eles minorias étnicas, refugiados, LGBT e, obviamente, pessoas idosas.

No painel em plenária no qual Alexandre Kalache falou, o objetivo foi discutir a importância de desenvolver marcos políticos que assegurem o envelhecimento ativo, com bem-estar e qualidade de vida, ao longo do curso de vida. Em particular foi dada ênfase à necessidade de ter mecanismos legais vinculantes através da adoção de uma Convenção dos Direitos das pessoas Idosas na ONU – como já é o caso para todos os outros grupos considerados vulneráveis – como crianças, mulheres, minorias raciais, imigrantes, pessoas com deficiências. É paradoxo que o único grupo que ainda não tem seus direitos específicos protegidos por leis internacionais vinculantes é exatamente o grupo que mais rapidamente cresce em todo mundo. Uma mensagem central da conferência é de que com desigualdades toda a sociedade sofre – não só os mais pobres e excluídos, mas também, pelo aumento da insegurança e violência, aqueles que aparentemente se beneficiam de sistemas que criam as disparidades crescentes em vários países do mundo.