Simpósio Internacional em São Paulo – casa cheia no Iamspe

Simpósio Internacional em São Paulo – casa cheia no Iamspe

No dia 17 de outubro, organizamos um Simpósio Internacional da Longevidade para discutir a construção da resiliência ao longo do curso de vida. O auditório do novo Centro Integralidade do Iamspe, em São Paulo, ficou lotado. Os profissionais e estudantes de várias áreas tiveram a oportunidade de aprender com duas inovações estrangeiras e refletir sobre o construto da resiliência.

A australiana Gabrielle Kelly apresentou seu trabalho no Centro de Resiliência e Bem Estar na Austrália do Sul. O Centro, que trabalha com o conceito PERMA – do psicólogo Dr. Martin Seligman – para mensurar e ensinar resiliência, foi fundado por Gabrielle há poucos anos. Trouxe evidências demonstrando que pessoas, inclusive pessoas idosas, podem aprender resiliência e consequentemente melhorar seu bem estar e sua saúde mental.

O holandês Jos de Blok, fundador do modelo de cuidado em nível de comunidade – Buurtzorg, contou como ele criou este modelo em resposta aos problemas que encontrou no sistema de saúde na Holanda. Buurtzorg, uma iniciativa que já expandiu para todos os continentes, foi criado há dez anos. Segundo Jos, que é enfermeiro, é necessária uma visão holística do cuidado e indispensável que os enfermeiros estejam empoderados, sendo os próprios gerentes do cuidado. O melhor resultado esperado para um bom cuidado, segundo Jos, é que a pessoa não precisa mais dos cuidados oferecidos pela Buurtzorg.

IMG_0168

Daniel Prieto Sancho, um sociólogo espanhol, convidou o público para uma reflexão sobre resiliência em diversos contextos culturais. Questionou até que ponto é possível atingir independência já que todos somos interdependentes. Ele concluiu que resiliência só pode ser construída como um processo coletivo.

Além do apoio do Iamspe, o Simpósio contou com apoio do Consulado Geral do Reino dos Países Baixos, da Bradesco Seguros e da Universidade Aberta à Terceira Idade da USP.